quinta-feira, 18 de junho de 2020

Comer, dormir e visitar Santarém, Tomar e Torres Novas

Nos últimos meses li uma dúzia de livros que me salvaram do coronavírus e da doença que se abateu sobre todos nós, principalmente sobre aqueles que, depois de três meses de confinamento, voltaram às ruas para mostrarem o seu ódio à civilização, e aqueles que, desde há séculos, lutam pelos ideais de justiça, liberdade e igualdade.  


Sou solidário com a luta dos negros, com os homens e as mulheres vítimas de violência  doméstica, os jornalistas vítimas da arrogância do poder policial ou político. Ultimamente a imprensa portuguesa esqueceu-se da Amnistia Internacional mas o trabalho desta organização é um dos mais importantes e valorosos do mundo na defesa dos mais fracos e desprotegidos. O jornalismo, em geral, é cada vez mais de modas, e de interesses particulares. Revejo-me cada vez menos na comunicação social portuguesa. Abro uma excepção para a RTP2, que melhorou substancialmente os seus conteúdos, e para o jornal “Expresso” que continua a ser, a longa distância de todos os outros, o melhor do país e um dos melhores do mundo.
Com as crises, o jornalismo sai sempre mais forte; mas é durante as crises que se vêem melhor os jornalistas que são os lenços de assoar dos políticos.

Nos últimos meses li uma dúzia de livros que me salvaram do coronavírus e da doença que se abateu sobre todos nós, principalmente sobre aqueles que, depois de três meses de confinamento, voltaram às ruas para mostrarem o seu ódio à civilização, e aqueles que, desde há séculos, lutam pelos ideais de justiça, liberdade e igualdade. Tenho um dos livros na cabeça para todos os momentos difíceis do dia-a-dia. É um livro biográfico de Ana Miranda sobre Gregório de Matos, de que já falei aqui. Não me contentei com a leitura e escrevi um longo texto para exercitar a minha capacidade de elogiar um escritor que dedica parte importante da sua vida a estudar a vida de outro, para depois se sentar a uma secretária durante quase outra vida a escrever a sua história. Dou valor a quem prescinde da praia, dos longos passeios e das longas sestas, para escrever, escrever, escrever até que a Obra-prima aconteça. “Musa Praguejadora” é uma Obra-prima da literatura em língua portuguesa, que não conta só uma boa parte da história de Gregório de Matos mas também da História de Portugual e do Brasil do século XVII, onde se incluiu o Padre António Vieira, contemporâneo e amigo de Gregório de Matos, e agora tão lembrado mais uma vez pelas piores razões, ele que será, depois de Luís de Camões, um dos que poderia dar nome ao Dia de Portugal.
Li e depois escrevi sobre “Musa Praguejadora” entre uma esplanada de Tomar e outra de Santarém, num fim de tarde em Torres Novas, no caminho para as piscinas onde passei bons momentos da minha adolescência, muitas vezes com o livro debaixo do braço sem o abrir ao longo do dia, mas confiante na boa companhia, e vivendo do que a memória ainda guardava da leitura dos dias anteriores. Não há melhor companhia que um bom livro, uma lição de vida em letras miudinhas, em que nos revemos, a nós e àqueles que marcam a nossa vida desde que temos memória, e também os lugares, e as épocas que nos antecederam, e parece que afinal ainda vivemos ou estamos a viver. JAE.

quinta-feira, 11 de junho de 2020

Um autarca na Chamusca que ninguém merece; muito menos o povo da Carregueira


O Presidente da República foi almoçar à Carregueira a um Centro Social graças à luta e militância de um deficiente pela causa dos seus pares. O presidente da Câmara da Chamusca, Paulo Queimado, apareceu sem antes fazer contas com a instituição e “virou as costas” ao Chefe de Estado.


O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, foi almoçar à Carregueira, uma freguesia do concelho da Chamusca, a convite de um homem que resolveu lutar pelos direitos dos deficientes. A história é conhecida mas os resultados, como sempre, nunca aparecem de uma vez. Eduardo Jorge está agora a facturar o resultado da sua militância, e também do seu atrevimento, porque ninguém ganha uma guerra sem travar muitas batalhas. Por causa do trabalho de um homem, que luta pelos direitos dos deficientes, Marcelo Rebelo de Sousa pôs a Carregueira no mapa do país, e na agenda da Presidência da República, que prometeu voltar em breve para uma reunião de trabalho nas instalações do restaurante.
Quem vive na região, e não está confinado ao seu bairrismo, sabe que é na Carregueira que se despejam os lixos mais perigosos do país. Sabe ainda que esta conquista do Governo de Pedro Passos Coelho foi conseguida à custa do sacrífico da população, que aceitou o investimento num clima de paz, depois de o mesmo ter sido rejeitado noutras localidades do país num clima de guerra.
O Eco Parque do Relvão, que foi o grande projecto do reinado de Sérgio Carrinho, custou a presidência da Câmara da Chamusca à CDU. O PS ganhou a câmara nas penúltimas eleições autárquicas, graças à campanha dos socialistas da freguesia, que deram um resultado esmagador e histórico ao partido, deixando o candidato da CDU a poucas dezenas de votos da vitória.  Os empregos criados pelo Eco Parque do Relvão podem não ser suficientes para compensar a violência contra o meio ambiente, o perigo para a saúde das populações, a desvalorização das propriedades confinantes, e tudo o que se sabe que está por trás de lixeiras de resíduos perigosos. O Eco Parque do Relvão um dia destes vai dar grandes e tristes histórias por causa da falta de estradas em condições, de uma nova ponte sobre o Tejo, por causa da eventual má gestão do Parque, da especulação com os lotes de terreno que valorizaram mil por cento, quem sabe, esperemos que não, pelas razões que levaram o PS local a fazer uma campanha silenciosa contra Sérgio Carrinho que, fora da corrida às eleições, não teve substituto à altura para que a CDU mantivesse a presidência da câmara.
Paulo Queimado foi para a Carregueira receber Marcelo Rebelo de Sousa sem fazer contas com a direcção da instituição que o convidou, e sem dar, ao menos, uma justificação nem que fosse de mau pagador. Para alem de ter aceite um convite de uma instituição que despreza, não aproveitou a ocasião para sensibilizar a mais alta figura do Estado para todos os problemas do concelho da Chamusca, que são tão actuais como a situação de pandemia em que vivemos. Paulo Queimado é um dirigente político que ninguém merece; muito menos o povo e os dirigentes associativos da Carregueira. JAE.

Chamar racista a Luís de Sousa é tão leviano como chamar oportunista a um deputado

O presidente da Câmara de Azambuja foi notícia no Parlamento por ter identificado a comunidade cigana como vítima do surto que afectou um bairro social da vila. António Costa criticou e André Ventura e Catarina Martins tiraram proveito político, cada um à sua boa maneira.


O presidente da Câmara de Azambuja, Luís de Sousa, está a meio do seu último mandato com o maior desafio da sua presidência; ajudar a gerir e controlar a pandemia do coronavírus no seu concelho onde, até agora, o drama atingiu proporções que assustam as autoridades.
Depois do fecho da Avipronto, por ordem das autoridades, que entretanto se tornou também um caso de justiça, e do toque a rebate nas instalações da Sonae, eis que uma comunidade de um bairro social da Azambuja gerou forte contestação e medo na vila, levando o presidente da câmara a pedir um cordão sanitário para impedir mais focos de infecção.
Luís de Sousa identificou a comunidade como sendo de origem cigana e foi um regabofe no Parlamento com André Ventura a perguntar ao primeiro-ministro, em jeito de desafio, se sabia dos problemas do PS com os ciganos; “não passo a concordar consigo quando discordo dos meus autarcas. E quando eles dizem as mesmas coisas que o senhor diz discordo na mesma sem problemas”, disse António Costa, ouvindo de André Ventura a provocação do dia: “quem sabe o seu autarca não será o próximo candidato do Chega à Câmara da Azambuja”.
Catarina Martins, líder do Bloco de Esquerda, também se atirou a Luís de Sousa com o pretexto, errado, de que o autarca tinha pedido um cordão sanitário só porque os infectados eram ciganos. Nenhuma diferença entre André Ventura, que é racista para ganhar eleitorado, e Catarina Martins, que é anti-racista exactamente com o mesmo objectivo de conquistar votos às populações que vivem num mundo à parte e sabem de todos os problemas sociais pela televisão ou pelo Instagram.
No meio deste combate ideológico salva-se a acção política de Luís de Sousa que, com serenidade e sabedoria, como é seu timbre, assumiu as suas declarações com a clareza e frontalidade de um autarca de proximidade que está habituado a tratar os ciganos por tu e a identificá-los um a um, pelo nome próprio.
Chamar racista a Luís de Sousa, ou pôr em causa a sua forma de chamar os bois pelos nomes, gerindo o seu território em situação de pandemia, é a mesma coisa que dizermos que os deputados da Assembleia da República são todos uns figurantes e oportunistas, com a diferença de que ganham quase três mil euros por mês, quando passam a maior parte do tempo de trabalho a coçar a micose. É verdade que ganham bem, mas também é verdade que, mal ou bem, são eles que garantem o funcionamento da democracia em que vivemos desde o dia 25 de Abril de 1974.
Luís de Sousa deve orgulhar-se do seu trabalho e do facto de gerir um concelho que tem uma das maiores áreas logísticas do país, com mais de duas centenas de empresas, que dão trabalho a cerca de nove mil pessoas.

Na mesma altura em que o Parlamento discutia esta questão a Câmara Municipal de Santarém, em colaboração com diversas entidades, despejava habitações no centro histórico da cidade, que tinham sido ocupadas ilegalmente, e cujos habitantes punham em causa a saúde pública. Fica aqui a informação, sem comentários, mas em cima do acontecimento, para darmos conta que nem sempre a Assembleia da República é o lugar onde se passam as coisas mais importantes que acontecem no país. JAE.

quinta-feira, 4 de junho de 2020

O gatuno do Arripiado, os toureiros amarrados e o populismo de Marcelo Rebelo de Sousa

A população de Arripiado vai ter o merecido descanso. Pandemia não rima com touradas; Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa são dois populistas que se aproveitam do jornalismo tipo “pé de microfone”.


Pandemia não rima com tauromaquia. Não é preciso ser bruxo para antecipar, a muito curto prazo, a morte das corridas de toiros se não forem pagas com língua de palmo como aconteceu recentemente na Chamusca onde a câmara municipal se substituiu ao empresário da praça e pagou tudo, à grande e à fartazana, dando ar ao dinheiro que não utiliza para as obras e para o desenvolvimento social, cultural e económico do concelho.

Alguns artistas da festa foram acorrentar-se nos portões da praça de toiros do Campo Pequeno, em Lisboa, para serem filmados para as televisões e assim reivindicarem publicamente o regresso das touradas para poderem voltar a trabalhar. A mobilização não envergonha quem lá esteve mas devia envergonhar quem vive da festa e ficou em casa. O mundo dos toiros é um retrato das velhas tradições do mundo de outras eras e de outros costumes. Basta estarmos atentos à popularidade e à intervenção cívica da maioria dos artistas para percebermos que as touradas têm os dias contados se a montagem dos espectáculos não for assegurada por dinheiros públicos. É evidente o receio das grandes marcas de se associarem a um espetáculo que, entretanto, começou a ser considerado bárbaro por uma boa parte da sociedade portuguesa. Curiosamente os homens dos toiros continuam a assobiar para o lado e não fazem nada para darem a mão à palmatória evoluindo também em consonância com os novos tempos e a forma de pensar das novas gerações.

O MIRANTE deu voz à população do Arripiado, Chamusca, que vive aterrorizada com os assaltos. Foram as pessoas que nos ligaram e que, depois, se juntaram no largo principal da aldeia à volta do repórter para gritarem por socorro. Nesta edição damos conta de desenvolvimentos que provam a importância da intervenção cívica dos cidadãos que dão a cara para defenderem o que têm de mais precioso que é a vida e o juízo. Neste meio tempo, aqueles que tinham por obrigação darem o peito às balas, e mostrarem solidariedade, ficaram escondidos no conforto dos seus gabinetes.

Quem tem a sorte de poder acompanhar visitas de trabalho do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, ou do primeiro-ministro, António Costa, percebe quantas dezenas de jornalistas, vulgo “pés de microfone”, se movimentam como bonecos articulados tentando roubar um som diferente, apanhar um gesto espectacular ou, quem sabe, filmar em directo um tropeção ou uma brejeirice de um destes protagonistas. Tanto Marcelo Rebelo de Sousa como António Costa têm feito a agenda de muitos jornalistas só para debitarem o mesmo discurso de sempre, como se o mundo ficasse melhor cada vez que entram numa livraria, num restaurante ou num jardim-de-infância. Respeitar a democracia também é combater o populismo. Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa dão um mau exemplo quando exercem as suas funções institucionais permitindo que os jornalistas os persigam como se, de repente, pudessem caminhar por cima dos microfones ou dos teclados dos smartphones. JAE.

quinta-feira, 28 de maio de 2020

Os lares ilegais no país de Sócrates, Jerónimo e Cavaco

Os lares ilegais na região podem chegar ao número das quatro centenas. Não por acaso alguns países da Europa tratam os políticos portugueses com desprezo.


Os lares ilegais no distrito de Santarém poderão chegar às quatro centenas segundo informação que O MIRANTE obteve junto de fontes da protecção civil. A notícia da passada semana, que apontava para 130, peca por defeito e minimiza um problema que é muito mais grave do que se pensava. O facto deste negócio, que mexe com a saúde pública e os direitos dos mais desprotegidos, passar ao lado do crivo das entidades que cobram impostos e zelam pela segurança de utentes e trabalhadores, diz bem do atraso civilizacional do nosso país. Não é impunemente que os dirigentes dos países mais desenvolvidos da Europa nos tratam com algum desprezo. Estas notícias são assassinas para a nossa classe política que se pavoneia todos os dias nas televisões.
Jerónimo de Sousa disse em Baleizão, no dia em que se assinalou os 66 anos do assassinato de Catarina Eufémia, que o vírus estava a ser pretexto para os patrões explorarem ainda mais os trabalhadores. Só encontro paralelo nestas declarações com aquelas que, antes do 25 de Abril de 1974, anunciavam que os comunistas comiam crianças ao pequeno-almoço.

Estamos de volta ao trabalho, à praia, aos restaurantes e às livrarias. Os números de mortes e infectados com o coronavírus em Portugal esteve muito longe daquilo que aconteceu e ainda acontece noutras paragens.  Foram pouco mais de dois meses de confinamento mas o suficiente para que nada volte a ser como dantes. Gerir empresas ou trabalhar por aí será muito mais desafiante mas também muito mais perigoso. Tudo o que aconteceu nestes últimos meses já se vinha sentindo mesmo sem coronavírus. Agora temos que aprender a viver em cima das incertezas e não podemos protestar. Claro que haverá sempre os que vivem do sistema, e cavalgam a sorte de terem empregos dourados, ou uma situação financeira acima dos simples mortais. Outros enriquecerão ainda mais com o advento da crise e as incertezas dos mercados. De verdade estaremos todos no mesmo barco porque ninguém sobrevive num mar tumultuoso mesmo que ocupe o melhor lugar do navio.

Por aqui reina o espírito decidido de quem sabe trabalhar e levar a água ao seu moinho. Para O MIRANTE a montanha pariu um rato quanto aos apoios do Estado em publicidade institucional. Vamos receber 10 mil euros limpos que dão para pagar o gasóleo de três meses de trabalho. Os milhões ficam para as empresas de comunicação social de Lisboa que são cerca de 85% das que se publicam no país e, em muitos casos, se limitam, a  nível sócio económico, a fazer informação de carregar pela boca. Não faltam excepções que confirmam a regra, o que prova que não podemos desistir de continuar a sonhar que podemos mudar o mundo nem que seja só na nossa rua.

Nestes últimos dias morreram duas grandes escritoras que conheci pessoalmente. Olga Savary (1933-2020) uma poeta brasileira que me abriu as portas da sua casa no Rio de Janeiro para contar o seu longo percurso de vida literária. Nas duas cassetes da entrevista estão também duas horas de gravação com Ferreira Gullar, outro dos maiores poetas de língua portuguesa, que também me recebeu na sua casa, no bairro do Leblon, para me contar a história da ditadura brasileira do tempo em que escreveu “Poema Sujo”.  Maria Velho da Costa (1938-2020) não era a minha escritora de eleição mas tem uma obra poderosa e um percurso de vida que faz a inveja de muitos escritores e intelectuais do seu tempo. JAE.

quinta-feira, 21 de maio de 2020

A Justiça e o vinho de bom grau e boa cepa

A democracia em Portugal sofre cada vez mais das fraquezas que tanto afectam a Justiça como o Jornalismo.  


Há um dia em que a Justiça nos cai em cima e percebemos que, afinal, os tribunais também estão cheios de malandrecos e malandrecas que se servem da Justiça como o taberneiro se serve do vinho bom para lhe acrescentar água. Não é com jornais, rádios e televisões que se garante a democracia também é com liberdade de imprensa; mas sem Justiça a sério não há regime democrático que resista. Esse ditado popular que diz “mal por mal antes cadeia que hospital”, é talvez o mais mentiroso de todos os ditados populares que já conhecemos; prefiro ter uma doença a sério que passar dois dias de cadeia por ter metido a mão onde não devia ou por ter cometido outro qualquer crime merecedor de prisão. Como eu deveremos ser quase dez milhões de portugueses. Agora que a Justiça portuguesa mostrou mais uma vez o seu lado mais fraco, e isto é só a ponta do véu, o caminho fica mais estreito para todos aqueles que se servem da Justiça como o taberneiro se serve do vinho de boa cepa.
Portugal tem uma imprensa cada vez mais fraca e concentrada em grupos de grande poder económico. Os jornais e as televisões, defendem o interesse público mas estão colados a grupos de interesses e a pessoas que, na maioria dos casos, fazem parte do sistema corporativo, muitas vezes, corrupto. Não é raro lermos notícias sobre assuntos de corrupção que fazem manchete no jornal do grupo A, que entretanto passa completamente ao lado dos interesses dos jornalistas da redacção do jornal ou da televisão do grupo B. Está a acontecer neste momento, no ano da graça de 2020, para vergonha dos jornais e dos jornalistas portugueses. E o caso Marquês, em que é réu, entre muitos, o impagável José Sócrates, serve às mil maravilhas para camuflar essas fraquezas da nossa democracia que tanto afectam a Justiça como o Jornalismo.

Há uma dúzia de anos fomos roubados por uma pessoa que se apropriou de uma dezena de cheques que depositou na sua conta bancária. Apesar de estarem devidamente endossados, o meliante conseguiu enganar o caixa de uma agência bancária de Tomar e depositar os cheques na sua conta. Depois de ser descoberto, e de uma queixa em tribunal, conseguimos reaver o dinheiro em pouco tempo porque o banco em causa tentou, o mais rápido possível, sair do imbróglio em que um funcionário se deixou enredar. Quando pedimos ao nosso advogado que tentasse em tribunal uma queixa que castigasse o abuso de confiança, a resposta foi clara: pensem bem nisso; a Justiça não condena roubos/desvios de pouca monta e vocês vão gastar muito tempo e dinheiro. E assim acabou a história. A Justiça ainda é boa demais para quem vive dela e boa demais para quem se serve dela como o taberneiro se serve do vinho de boa cepa. JAE.

segunda-feira, 18 de maio de 2020

Rui Rio podia ser personagem de romance de João Ubaldo Ribeiro

O presidente do PSD, Rui Rio, não é muito diferente de André Ventura. Ambos carregam no verbo para compensarem a falta de ideias.

Rui Rio, presidente do PSD, afirmou que as empresas de comunicação social deviam ter do Estado o mesmo apoio que as empresas de calçado. Rui Rio alinha com André Ventura em muitas questões da vida política à portuguesa. A diferença entre eles é de comportamento. Rui Rio é mais ao jeito dos forcados, que João Ubaldo Ribeiro descreve de forma satírica no seu livro “A Casa dos Budas Ditosos”, e André Ventura é todo ele toureiro, sem capa e espada, como aqueles que frequentam as picarias mas não gostam de corridas de toiros.

O Governo diz que vai dar, em 2020, por causa da pandemia, 15 milhões de euros em publicidade institucional às empresas de comunicação social que fazem o mesmo trabalho de serviço público que a rádio e a televisão do Estado, que levam todos os anos cerca de 300 milhões de euros. Estes 15 milhões, que poderão chegar em tempo de pandemia a cerca de 500 empresas de comunicação social, entre imprensa e rádio, são uma esmola comparado com aquilo que o Estado gasta com o serviço público de televisão, rádio e agência pública de notícias. E, pior que isso, foi preciso uma pandemia para que o Estado finalmente cumpra aquilo que está publicado em Diário da República há muitos anos, que é a obrigatoriedade de publicar publicidade institucional nos jornais, entre eles os regionais e locais, que é aquilo que muito raramente acontece. Ou seja; o Estado está obrigado por lei a publicar publicidade institucional nos jornais e rádios, só que não o faz, e ninguém vai atrás do prejuízo porque dá muito trabalho e muitas inimizades. Quem conhece a minha opinião sobre as associações de muitos sectores, agricultura incluída, fica agora a conhecer também a minha opinião sobre as associações de imprensa: são quase todas prestadoras de serviço, que vivem dos negócios com o Estado, à custa dos que trabalham nos vários sectores da vida empresarial.
Rui Rio, responsável pelo maior partido da oposição, podia aproveitar o estado calamitoso em que vivemos e ganhar estatuto, lutar por um lugar na frente para um dia chegar a primeiro ministro. Ao contrário, fala do que não sabe, tem uma língua de trapos e a sua ousadia em matéria política só pode ser gozada, ao jeito de João Ubaldo Ribeiro, quando brinca com as touradas e os forcados em “A Casa dos Budas Ditosos”, ou quando cita Nelson Rodrigues para dizer que tinha razão ao afirmar que “se todo o mundo soubesse da vida sexual de todo o mundo ninguém se dava com ninguém”.

Não vem nos livros, nem é matéria dos noticiários das televisões, os dramas das populações que vivem no interior e estão entregues à bicharada. Os preços das casas em algumas vilas e aldeias da região caíram a pique e ninguém as quer comprar. Entretanto a Câmara de Lisboa está a preparar-se para comprar casas, prontas a habitar, para arrendar, e assim aumentar o seu património habitacional. As autarquias do interior, que perdem população e vêem definhar o comércio tradicional e são obrigadas a fechar escolas, não têm qualquer política social para implementar nos próximos anos, mesmo sabendo que a União Europeia apoia políticas de habitação contra o problema da interioridade. Não vou falar dos concelhos que conheço bem, onde as populações perdem qualidade de vida e vêem o seu património desvalorizado. Mas deixo aqui, mais uma vez, um aviso àqueles que gostam da sua terra e não exercem a crítica necessária para que os políticos de proximidade sejam obrigados a vestirem as luvas de boxe para lutarem pela sua gente e pelo futuro das suas cidades, vilas e aldeias. JAE