quinta-feira, 18 de outubro de 2018

A Gazeta do Povo e o meu amigo Campos Valério

Nos últimos dias visitei uma das maiores empresas de comunicação social em língua portuguesa para perceber o que tinha mudado em duas décadas desde que a visitei pela primeira vez. Mudou tudo. O jornal deixou de se publicar diariamente no papel, sai ao domingo, e a aposta está toda no online. O sector comercial é uma sombra do que era há duas décadas. O retrato da empresa está irreconhecível comparado com o de há 20 anos. Saí da reunião com a Ana Amélia Filizola, na sede do Gazeta do Povo, em Curitiba, confirmando o que já sabia; tudo no Brasil ao nível da comunicação social é incomensuravelmente maior, e diferente, de Portugal. Por isso a lição, hoje como ontem, é sempre ao gosto do aluno.


Reencontrei mais uma vez o meu amigo António Campos Valério, um emigrante português em Curitiba há mais de sessenta anos. Tem uma história de vida que me comove. Voltamos a almoçar em família. O restaurante era perto de um antigo barracão onde há mais de meio século se alojavam os emigrantes portugueses em Curitiba. Ele não. O pai era construtor civil e tinha casa própria. Foi graças aos conhecimentos do pai que aos 16 anos entrou para uma empresa de automóveis só para fazer recados.
Poucos anos depois era vendedor e chefe de vendas. Há mais de vinte anos levou-me a dar uma volta ao mundo pelo Estado do Paraná e pelas cidades onde geria delegações da empresa. O fim da viagem foi em Foz de Iguaçu onde a luz do dia é azul devido à energia/magia das águas das cataratas.
António Campos Valério viu crescer Curitiba dos 160 mil habitantes para os dois milhões. Conversar com ele é abrir o livro da vida. É um homem de família, generoso, sábio, profundamente crente nos valores da amizade e da solidariedade. Jamais voltaria a viver em Portugal mas ama a terra e todos os dias sabe pela televisão o suficiente para matar saudades. Quase todos os anos atravessa o Atlântico mas, de costas ou de barriga, regressa sempre ao Mirante da Serra, em Curitiba, o bairro onde construiu a sua casa e onde criou as cinco filhas.
JAE

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

O médico Lopes Dias não falava de política, mas tinha opinião sobre as pessoas que faziam política

A morte do médico Henrique Lopes Dias, da Golegã, apanhou-me a ler um livro de memórias que fala da terra mãe, da respiração dos sentimentos do berço, da contemplação das diferentes nuvens em céus diversos do mundo que, no entanto, nos transportam sempre para a terra natal das palavras que dizemos e escrevemos, que guardam o nosso local de nascimento.
A Golegã podia ser a minha terra. Os lugares, os caminhos e as pessoas fazem parte importante do meu imaginário. Lopes Dias foi o médico da minha família até muito depois de se reformar. À noite, quase sempre depois do jantar, o seu consultório era o meu banco de urgências, para mim e para toda a família. Por causa de um internamento de um familiar no Hospital da Golegã atravessei o Dique dos Vinte no auge da maior cheia de sempre, no ano em que cedeu com a força da água. Tenho memória disso em casa porque o Francisco Cid estava lá com a máquina fotográfica.
Apesar de ser especialista em ouvidos, nariz e garganta, Lopes Dias fazia clínica geral. Não era um homem de muita conversa mas era afectuoso. Trabalhava todos os dias. Lembro-me de falar com ele sobre o stress do trabalho e ele confessar que fazia o que gostava. Por isso, dava consultas à noite depois de um dia normal de trabalho. Muitas vezes, eu era o único doente. Saltava da sala de televisão para o consultório só para me atender. Nessas alturas dialogava mais. Púnhamos a conversa em dia. Ele não falava de política, mas falava das pessoas da política. Guardo dele uma voz amiga e solidária, nas horas em que mais precisamos de alguém que nos faça esquecer que “viver é irreparável”, e que “é terrível ter o destino da onda anónima morta na praia. A citação literária vem a propósito, porque falávamos muito de literatura e de Miguel Torga em particular.
No mundo não há nada mais importante do que os médicos e os farmacêuticos das pequenas cidades (inspirado num verso de Mário Quintana e a recordar-me também da morte de Joaquim Cabeça, Joaquim Machado (farmacêuticos) e Armando Cumbre e Artur Barbosa (médicos)). 
JAE

quinta-feira, 4 de outubro de 2018

Os empresários são os mágicos da economia

O MIRANTE voltou a entregar prémios às empresas da região. Ocasião para recordar que também há empresários à força que procuram apenas o lucro e que o melhor do nosso excelentíssimo território é a auto-estrada.

O MIRANTE entrega todos os anos os prémios Galardão Empresa do Ano em conjunto com a NERSANT que escolhemos como parceiro para esta iniciativa.
Não é por acaso que nos ligamos às empresas e tivemos a ideia do prémio. Os empresários são os mágicos da nossa economia. Sem eles não teríamos território; e se tivéssemos era para ver passar os carros e os comboios (de barcos já nem vale a pena falar).
Tenho admiração por alguns empresários da região que já nomeei algumas vezes nos meus textos e que tenciono voltar a nomear. Acho muito mais fácil governar uma região com empresários do que com políticos. Mas precisamos das duas actividades; e que todos os protagonistas sejam gente boa, com estatuto, Homens de palavra e de solidariedade.
A nossa região é um bom exemplo de empreendedorismo. Mas é bom que não esqueçamos que há muitos empresários à força, nascidos de um certo oportunismo de mercado, empresários que querem ficar ricos rapidamente, que não têm qualquer consideração pelo tecido social da terra onde têm as empresas.
Gente que ganha muito dinheiro a gerir as empresas da região mas que não sabe nada da nossa geografia nem do tecido social; que ignora o território para mais tranquilamente poder poluir os rios, e as terras férteis do bairro, do campo e da charneca; gente que vive em Cascais ou no Estoril e dá graças a Deus por termos uma excelente auto-estrada num excelentíssimo território.
E ainda temos os empresários falhados, que só são empresários para darem cabo da vida deles e dos outros; que vão para a insolvência como quem vai dar um mergulho na piscina.
O MIRANTE não tem, nem nunca teve, um posicionamento negativo quanto ao papel dos empresários e à sua importância no desenvolvimento do país e da região. Por isso temos um caderno de economia dentro da edição; e publicamos todas as semanas dezenas de notícias sobre os nossos empresários e as nossas empresas.
É com eles, com a maioria deles, que queremos continuar a mostrar trabalho e também, nem que seja uma vez por ano, a entregar prémios.
JAE