quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Um ano novo com uma pulseira verde

Crónica sobre os primeiros dias de 2019 e a sensação de viver uma nova experiência no sangue.

Passei o dia de ano novo com uma pulseira verde num serviço de atendimento permanente de um hospital privado. Saí de lá com uma nova experiência no sangue: uma dose de morfina que me transportou gradativamente para outro mundo; pela primeira vez soube o que era voar nas asas dos anjos azuis. Não sei ainda se o azar da doença vai valer pela experiência mas tenho fé que sim.
Nos últimos dias tive tempo para escrever uma crónica por hora, para ler os livros todos que não li nos últimos anos, para reescrever os textos esquecidos no disco do computador e nos cadernos perdidos lá de casa, mas limitei-me a usar o telemóvel, a ler alguns (poucos) jornais, a visitar uma livraria da avenida de Roma, a comer, a dormir e a caminhar para os médicos.
Entretanto constipei-me. Mal pude usar a mota em que gosto de me transportar. Troquei a ida regular ao cinema por uma série na televisão chamada House of Cards e garanto que foi a única ficção que me prendeu à realidade nos últimos oito dias.
Tive mais tempo para acompanhar o correio dos leitores de O MIRANTE e para perceber a dinâmica das mensagens no Facebook que chegam a solicitarem trabalhos editoriais, entre outros. Mas nada disso teve qualquer importância na minha vida. Desde o alvor do dia de ano novo que o trabalho deixou de ter qualquer prioridade no meu dia-a-dia. Recebi mensagens pessoais sobre cursos de dança, fotos misteriosas no meio do Tejo, e viagens pelo mundo, bem mais interessantes que todo o correio de trabalho diário que normalmente me entusiasma e faz andar a mil à hora de manhã à noite.
Tenho um bom amigo a passar por um período de doença complicada e pensei nele a toda a hora; e nunca me lembrei se o António Palmeiro, João Calhaz, Marco Rodrigues, Mário Cotovio, o Alberto Bastos ou a Joana estavam a precisar de ajuda, ou sequer se alguma vez voltam a precisar da minha ajuda para puxarem pela carroça.
Estar doente, mesmo que seja só com uma dor nas costas que apanha a cabra da perna, é pior que ser obrigado a comer todos os dias nos restaurantes de Santarém que carregam nos temperos; bem pior que trabalhar de sol a sol pressionado pelo tempo e o stress; muito pior que não ter descanso sequer ao fim-de-semana e passar a vida a trabalhar para os outros mesmo que já tenhamos idade e estatuto para não fazermos ponta de corno.
Nestes primeiros dias de ano novo não abri livros novos, excepto os que visitei na livraria, mas tive oportunidade de passar os olhos pelo Samarcanda, do Amin Maalouf, um livro que li em 2018 e que deixou marcas. Estive quase para o oferecer no dia 5 de Janeiro como prenda de anos, mas agarrei-me às páginas sublinhadas como se fossem uma prova da minha existência.
É o único acto egoísta de que me lembro e arrependo desde que o ano novo deitou as antenas de fora. É nesse livro que se diz que “as palavras, boas ou más, são como flechas: quando se disparam várias há sempre uma que atingirá o alvo”.  JAE

quinta-feira, 3 de janeiro de 2019

Sobre jornais e jornalistas: uma reflexão a partir de uma redacção de um jornal de província

As palavras do Presidente da República sobre o apoio aos jornais, proferidas nos últimos tempos de forma sempre cautelosa, tornaram ainda mais pública e notória a crise da imprensa e do jornalismo em Portugal.
Marcelo Rebelo de Sousa foi durante muito tempo director do Expresso e colaborador de vários jornais, rádios e televisões. Percebe o drama que se vive no seio das empresas e na vida de cada jornalista.
Portugal ainda não é um caixote do lixo de jornais mas para lá caminha. A maioria dos jornais de referência já tem tiragens absurdas para publicações que empregam dezenas de profissionais e se propõem contribuírem com notícias e opiniões para a vida democrática do país.
A falta de publicidade, mãe de todas as independências editoriais, deixou em palpos-de-aranha todas as administrações. Os chefes estão habituados a trabalhar com jornalistas mas ignoram, e até parece que desprezam, os departamentos comerciais. Ninguém olha para um jornal e vê um produto de promoção de empresas e serviços. Muitas empresas que contactamos para investirem em publicidade dizem aos nossos colegas que não podem gastar dinheiro e que temos obrigação de dar notícias sobre elas porque são assinantes.
Felizmente não é uma opinião maioritária. Ao nível da organização dos jornais poucos têm um sector comercial preparado para fazer o jornal sobreviver com as receitas da publicidade. A grande maioria depende ora de um grupo de distribuição, ora de um patrão da indústria, quando não é o caso de dependerem de investidores literalmente interessados no uso e fruto das notícias. A maioria dos patrões parece sintonizada com os empresários que se acham donos disto tudo.
Deixo aqui meia dúzia de linhas sobre assuntos da imprensa que não posso desenvolver agora mas que demonstram a fraqueza do sistema.
1) A única associação de classe dos patrões dos jornais quase que desapareceu. 2) Os jornalistas que vão saindo das empresas não querem voltar à profissão tal é a desconfiança. 3) As universidades continuam a formar jornalistas que nunca saem das salas de aula durante os anos do curso. 4) Os jornais de maior referência em Portugal continuam a ter uma agenda comum o que empobrece o jornalismo e a democracia. 5) Um assalto sofisticado a um banco, na Chamusca, só é notícia em O MIRANTE; se for uma porta arrombada de uma residência em Lisboa pode sair na primeira página ou ser abertura de telejornal. 6) Os membros do Governo não precisam ter mérito na governação para serem notícia diariamente e para falarem ao país: os jornais parece que existem em função do governo e dos deputados com prejuízo das notícias e das reportagens sobre o país real. JAE